Press "Enter" to skip to content

PENÍNSULA IBÉRICA É POUCO AMIGA DE DOING BUSINESS

O famoso relatório Doing Business do Banco Mundial confirma que a Península Ibérica é pouco amiga para fazer negócios.

Se Espanha manteve-se no top 30 do ranking global, todavia Portugal piorou a sua posição passando do 34º lugar do ano passado para o posto 39 deste ano.

Este estudo faz a avaliação de diversas componentes inerentes ao Doing Business tais como: abertura de um negócio, obtenção de crédito, protecção dos investidores minoritários, pagamento de impostos, comércio transfronteiriço, cumprimento de contratos, resolução de insolvências, gestão de licenças de construção, fornecimento de electricidade e registo de propriedades.

Nem tudo é menos positivo para Espanha e para Portugal no que diz respeito ao comércio transfronteiriço, onde ocupam o 1º lugar.

Na realidade esse desempenho não tem tanto a ver com as dinâmicas nacionais, mas sim devido que os países ibéricos estarem integrados no mercado único europeu.

Um dos critérios mais relevantes neste estudo, e que comprova que a Península Ibérica é pouco amiga do Doing Business, é precisamente a abertura de negócios.

Portugal está na posição 63, enquanto Espanha encontra-se numa inacreditável posição, já quase fora do top 100.

O top 10 dos melhores países para fazer negócios são:

Nova Zelândia

Singapura

Hong Kong

Dinamarca

Coreia do Sul

Estados Unidos

Geórgia

Reino Unido

Noruega

Suécia

No lado oposto os países a evitar no Doing Business são:

Somália

Eritreia

Venezuela

Iémen

Líbia

Sudão do Sul

República Centro Africana

República Democrática do Congo

Chade

Timor-Leste

O relatório Doing Business trata-se de um índice que mede a facilidade para fazer negócios nos diversos países.

Este estudo elaborado desde 2004 pelo Banco Mundial centra-se no funcionamento das pequenas e médias empresas de cada país, analisando as leis e regulamentos que influem no seu ciclo de vida empresarial.

Esta investigação anual também tem o objectivo de mostrar as variações no desenvolvimento económico de cada país.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *