Press "Enter" to skip to content

A Ponte da Paz

No nosso primeiro editorial do ano passado escrevemos sobre a importância de preservar a paz. Ainda estava muito presente a guerra na Ucrânia. Em 2024 este conflito militar continua. E nos últimos meses o conflito militar e psicológico entre o Estado de Israel e o Hamas ganhou um maior protagonismo mediático.

Infelizmente estes antagonismos não são os únicos conflitos que desgraçam e desacreditam a humanidade e impedem a sã convivência entre os povos. A proliferação destes dramas humanos tem obviamente um maior impacto nas populações mais vulneráveis e desprotegidas, que afinal são as grandes vítimas dos jogos geopolíticos

Este ano queremos a continuar a trabalhar sobre o valor universal da Paz, em todas as suas vertentes: política, económica, cultural e social.

Falar de Paz ou da falta dela, não é simplesmente analisar os grandes temas geopolíticos na sua generalidade; é necessário ir mais além desses conceitos gerais. Há que fomentar a discussão mais humana da razão eclodir dos conflitos.

Queremos com os meios que dispomos ser uma vez mais uma “ponte” no debate desses assuntos que impedem livre convivência dos povos.

Esta será a essência do nosso contributo, para estimular a participação das várias vertentes da nossa sociedade, e integrá-las no debate efectivo, que transcenda os limites da realidade imposta

Estamos conscientes que a nossa “ponte”, que anseia em promover o diálogo eficiente e minimizando o ruído mediático, tem os seus “pilares” não tão robustos como era desejado perante as fortes correntes dos antagonismos que dominam a nossa realidade, que podem destruir toda a nossa boa vontade. Mas queremos esse risco. Queremos que a nossa identidade e a nossa vontade sejam mais fortes que as correntes da demagogia, do medo e da falta de conhecimento.

Esta será a essência do nosso contributo, para estimular a participação das várias vertentes da nossa sociedade, e integrá-las no debate efectivo, que transcenda os limites da realidade imposta.

Aproveitamos também, já que este é o primeiro editorial do ano, para desejar aos nossos leitores, seguidores e amigos um próspero 2024.

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *