Press "Enter" to skip to content

Portugal e Hungria: Melhorar a cooperação económica e cultural

Queremos fazer deste 50º aniversário do restabelecimento das relações diplomáticas entre a Hungria e Portugal memorável, pela apresentação da arte popular, cultura e tradições da Hungria, mas também ao mostrar comida e artesanato tradicionais Húngaros e uma inovação no desporto (Hungarikums) ao público Português. Entre 10 e 13 de Abril, em Lisboa, Santiago do Cacém e Setúbal, todos terão oportunidade de provar os sabores Húngaros, ficando também disponível nessa semana, no restaurante do Hotel Hyatt Regency, um menu Húngaro preparado por um Chef Húngaro. De acordo com o nosso projecto, e ainda nessa semana, os produtos Húngaros podem ser vistos e provados no supermercado Continente, no Centro Comercial do Colombo.

Como Embaixadora da Hungria, desejo aprofundar a cooperação entre os dois países nos campos da ciência, cultura, e com uma ênfase especial na economia. O meu objectivo é ajudar as empresas Húngaras a entrar no mercado Português, mas estou convencida que esta cooperação pode trazer uma relação mútua frutuosa para ambos os lados Português e Húngaro.

Dada a economia aberta da Hungria, e a sua actividade de exportação, que voltou a aumentar quando comparada com o ano anterior, é particularmente importante manter a nossa competitividade. Em 2023, o valor das exportações atingiu 41.5 mil milhões de euros, e as importações excederam os 50 mil milhões, resultando num balanço do comércio externo de cerca de mil milhões de euros. As nossas exportações para Portugal excederam os 73 milhões de euros, mais do dobro das importações no valor de 31 milhões de euros.

No que diz respeito à economia e ciência, tivemos igualmente a oportunidade de trabalhar lado a lado, especialmente no sector de alto valor agregado e nos sectores baseados em investigação. Não é possível ignorar os efeitos das alterações climáticas que afectam o nosso mundo, colocando um imenso desafio em termos de agricultura e gestão de água potável a quase todos os países. As Empresas Húngaras de água industrial já foram bem-sucedidas na implementação dos seus projectos em muitas partes do mundo, e acreditamos que existam também oportunidades para cooperação em Portugal, as quais gostaríamos de explorar e aproveitar.

Nos quase seis meses após a minha chegada, já implementámos muitos programas com êxito que encaixam com perfeição nessas áreas.

Em Dezembro passado, conduzimos um muito bem-sucedido Workshop Espacial, organizado em cooperação com a Agência Espacial Portuguesa, o Cluster Português para as Indústrias de Aeronáutica, Espaço e Defesa, e a Universidade do Minho. Cinco empresas Húngaras marcaram presença neste evento de dois dias, e não é exagero dizer que tanto as empresas Húngaras como as Portuguesas obtiveram um novo conjunto de experiências, que poderão ser aplicadas na concretização de futuras relações profissionais. Este programa é muito importante para nós, considerando o nosso já existente acordo de cooperação com a Agência Espacial Portuguesa.

Permitam-me mencionar outro objectivo muito importante para nós, o da promoção das empresas Húngaras que desenvolvem actividades no âmbito das cidades inteligentes, dando-lhes a oportunidade de se apresentarem no mercado Português. Para tal, vamos participar pelo terceiro ano consecutivo no evento Portugal Smart Cities Summit, um excelente veículo para construir relações com companhias que oferecem soluções inovadoras e inteligentes. Até agora, já participaram neste evento dez empresas Húngaras, e, neste ano, contamos com a participação de pelo menos cinco empresas.

Dado que a cultura serve como uma força unificadora entre os povos, o nosso foco na diplomacia cultural permanece como um aspecto central dos nossos esforços. Tencionamos perpetuar e alargar os nossos compromissos neste domínio. Nesta última década, fomos uma participação contante na Noite da Literatura Europeia, colaborámos com o Festival das Terras Sem Sombra, além de termos organizado o décimo concerto solidário de Santa Isabel, em Novembro. A nossa demanda por perspectivas de colaboração estende-se a festivais de música e cinema, e outros eventos culturais. Através de uma iniciativa minha, a embaixada criou um Clube de Académicos, oferecendo uma plataforma para profissionais em ciência e cultura poderem transmitir as suas descobertas mais significativas e a sua experiência a um público mais alargado. Estas apresentações focam-se especificamente em aspectos relacionados com a Hungría. No Outono, organizámos uma palestra sobre o método Kodály, e mais recentemente, uma palestra interactiva com um compositor de bandas sonoras para cinema, onde ele explorou as complexidades da música no cinema, e temos eventos adicionais em preparação.

Como Embaixadora da Hungria, desejo aprofundar a cooperação entre os dois países nos campos da ciência, cultura, e com uma ênfase especial na economia. O meu objectivo é ajudar as empresas Húngaras a entrar no mercado Português, mas estou convencida que esta cooperação pode trazer uma relação mútua frutuosa para ambos os lados Português e Húngaro

Emília Fabián, Embaixadora da Hungría em Portugal

Já temos alguns projectos para apresentar o trabalho do arquitecto do século 18, Carlos Mardel, de nacionalidade húngara, em cooperação com as entidades Portuguesas. No ano passado, em cooperação com o Museu de Lisboa, organizámos uma conferência e uma exposição fotográfica sobre a herança arquitectónica de Carlos Mardel.

Desde Fevereiro que temos um conferencista Húngaro convidado, um professor excelente na Universidade do Porto, com o qual antevemos a organização de programas adicionais, estendendo as nossas actividades às regiões do Norte de Portugal. Os robustos laços religiosos diplomáticos entre a Hungria e Portugal manifestam-se através de várias expressões notáveis, como os esforços do padre Luís Kondor, o Calvário Húngaro, e a estátua Mindszenty inaugurada no ano passado em Fátima. Além disso, a estimada figura do Abençoado Imperador Carlos IV ordena a uma profunda reverência tanto na Madeira como em Portugal continental.

Sou da opinião que a promoção do diálogo bilateral de alto nível e de peritos é uma responsabilidade crucial para sustentar discussões e promover a comunicação directa com os principais decisores portugueses. Estes compromissos não só facilitam o desenvolvimento de fortes conexões pessoais, mas também contribuem para um entendimento mútuo mais profundo. No ano passado, a Presidente da Hungria, Katalin Novák, bem como diversos ministros, visitaram Portugal para dialogar com os seus homólogos, e nós continuamos investidos na manutenção desse nível de compromisso.

Na segunda metade de 2024, a Hungría irá assumir a Presidência do Conselho da União Europeia, a segunda vez desde 2011. Esta responsabilidade acarreta um empreendimento único durante este período de formação do novo Parlamento Europeu e Comissão Europeia após as eleições de Junho, juntamente com o desafio logístico formidável de orquestrar numerosos encontros de alto nível na Hungria. A Embaixada da Hungria em Lisboa antecipa um aumento da carga de trabalho à medida que prepara e executa diligentemente diversos eventos em Portugal ligados à Presidência Húngara.

É para a Embaixada da Hungria uma responsabilidade gratificante de alimentar laços com a comunidade Húngara residente em Portugal. Esta comunidade mantém uma interacção directa com a Embaixada, visitando a nossa seção consular e participando em diversos programas culturais e familiares organizados pela Embaixada, muitas vezes em colaboração com a Associação para a Cooperação Luso-Húngara.

No geral, estamos à procura proactivamente de oportunidades para colaboração nos domínios económicos, políticos e culturais para melhorar os laços entre as nossas nações e os nossos cidadãos.

Emília Fábián fez a sua carreira académica na Hungria e Japão, especializando-se em Estudos Asiáticos e do Pacífico. Tem um Mestrado em Relações Internacionais e um Phd em Relações Internacionais e Segurança.

Foi oficial de programação na Fundação do Japão em Budapeste (2004-2011), e é nomeada Chefe do Departamento dos Assuntos Económicos da Embaixada da Hungria em Tóquio, Japão (2011-2013), e da Embaixada da Hungria de Kuala Lumpur, Malásia (2015-2018). Em 2017 é nomeada Coordenadora da visita do Primeiro Ministro da Hungria a Singapura, como Diplomata Especialista. No Ministério dos Negócios Estrangeiros e Comércio Externo, é Desk Officer do Departamento Ásio-Pacífico (2013-2015), Subdirectora Geral do Departamento da China (2018-2019), e Diretora Geral do Departamento das Economias de Desenvolvimento Rápido, com a pasta das Reuniões de Alto Nível da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) (2019-2023). É nomeada Embaixadora da Hungria em Portugal em 2023.

Tem diversos trabalhos, ensaios e artigos publicados sobre o Japão, e domina, além do Húngaro e Japonês, as línguas Inglesa, Alemã, Italiana, Portuguesa e Espanhola. É casada e tem três filhas.

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *